Ruanda e Jordânia reforçam cooperação – e o prêmio é Moçambique

Quando o vice-primeiro-ministro da Jordânia, Dr. Ayman Abudullah al-Safadi – que também atua como ministro das Relações Exteriores – pousou no Aeroporto Internacional de Kigali, em Ruanda, a 21 de Fevereiro, para iniciar um visita de trabalho de três dias, foi a quarta vez em apenas 14 meses que autoridades dos dois países se encontraram. Três dessas visitas foram em solo ruandês.
20 Março, 2023

Quando o vice-primeiro-ministro da Jordânia, Dr. Ayman Abudullah al-Safadi – que também atua como ministro das Relações Exteriores – pousou no Aeroporto Internacional de Kigali, em Ruanda, a 21 de Fevereiro, para iniciar um visita de trabalho de três dias, foi a quarta vez em apenas 14 meses que autoridades dos dois países se encontraram. Três dessas visitas foram em solo ruandês.

Historicamente, o envolvimento da Jordânia na África Subsaariana tem sido limitado. No entanto, o reino compartilha um objetivo comum com Ruanda – projetar influência na região por meio do combate ao extremismo islâmico.  O comunicado desta última visita enfatiza isso, afirmando que as autoridades “confirmaram o compromisso de continuar a cooperação na luta contra o terrorismo, seja por meio de comunicação direta ou sob a égide do processo de Aqaba”. O método preferido da Jordânia é a partilha de informações e acordos de defesa; Ruanda é o das botas no terreno.

O processo de Aqaba, estabelecido em 2015, é uma ideia do chefe de estado da Jordânia, o rei Abdullah II, com o objetivo de “combater o terrorismo de maneira holística”. O reino realizou operações no terreno – no Iraque, na Síria e no Iêmen – mas sua luta tem objetivos mais amplos. Isso inclui “melhorar a segurança e a coordenação e cooperação militar…. [e] facilitando a troca de conhecimentos e informações entre as partes interessadas regionais e internacionais.”

Nesse âmbito, em 2017, a Jordânia doou equipamento militar à Nigéria e forneceu treinamento para apoiar a luta contra o Boko Haram. A Nigéria prometeu ajudar o reino numa maior cooperação com Camarões, Chade e Níger, todos eles enfrentando o extremismo islâmico dentro de suas fronteiras. No ano anterior, delegações do Quênia, Uganda e Somália – países igualmente afetados pelo extremismo islâmico – participaram do processo de Aqaba.

Em Março de 2022, a Jordânia alargou seu foco na África Subsaariana, convidando representantes da República Democrática do Congo (RDC), Moçambique e Tanzânia. Segundo o reino, apesar dos esforços globais para combater grupos extremistas islâmicos, eles “expandiram e intensificaram suas atividades em partes da África”.

O acolhimento do processo de 2022 coincidiu com visitas de trabalho à Jordânia pelo Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, e do Presidente– que se reuniu com todos os representantes de Aqaba.

O envolvimento de Ruanda em operações antiterroristas na África Subsaariana também abrange a última década. Desde 2014, tem enviado pessoal da Força de Defesa de Ruanda (RDF) para a República Centro-Africana. Em Julho de 2021, Kigali destacou 1.000 soldados para a província de Cabo Delgado. Isso desde então cresceu para 2.500 membros.

Mas seu envolvimento nos dois países é diferente. Embora parte de seu mandato na República Centro-Africana seja baseado em um acordo bilateral de defesa entre os dois países, a outra parte fica sob os auspícios da União Africana ou Nações Unidas, que organizaram várias missões de paz no país. Em Moçambique, o Ruanda também opera ao abrigo de um acordo bilateral a par do destacamento multilateral da SAMIM. O governo de Ruanda afirma que financia a missão do RDF no país, exceto por sua parte dos 20 milhões de euros (US $ 21,22 milhões) doados pela UE no final de 2022.

O Ruanda diz estar em Moçambique em nome da segurança regional – um sentimento semelhante ao da Jordânia ao alargar o seu processo de Aqaba na África Subsaariana. Nyusi, por sua vez, elogiou o envolvimento de Ruanda, chamando-o de parte de uma “ solução africana ”.

Em Setembro de 2022, Benin solicitou apoio de Ruanda para combater um crescente problema jihadista em meio à turbulência mais ampla na região do Sahel. Deixou claro que isso assumiria a forma de ajuda e experiência, em vez de tropas no terreno.

Por que Moçambique é tão importante para a Jordânia e Ruanda? O reino com escassez de energia importa 96% de suas necessidades de eletricidade na forma de petróleo e gás dos países vizinhos. O desenvolvimento das vastas reservas de hidrocarbonetos de Moçambique é, portanto, benéfico se puder garantir uma parte do seu consumo para os seus próprios Planos de terminais de importação de GNL. Para o Ruanda, existe um ângulo comercial. Não só a holding da Frente Patriótica de Ruanda (RPF) tem negócios em Cabo Delgado, mas o governo também pediu permissão a Moçambique para permitir os serviços secretos ruandeses localizar dissidentes no exílio no país da África Austral.

Para ganhar e manter uma posição em Moçambique, a Jordânia e o Ruanda precisam um do outro. O reino poderia simplesmente fortalecer os laços com Nyusi, deixando Kagame fora da equação. Mas Moçambique tem eleições gerais em 2024 e, embora uma provável vitória da Frelimo prometa uma ampla continuidade política, particularmente com Nyusi como presidente do partido até 2027, o fim de seu limite de dois mandatos como chefe de Estado traz incertezas. Kagame, por sua vez, pode estar no poder até 2034. Essa configuração garante a continuidade da política, e as formas de governo autoritário praticadas por Kagame e Nyusi dificilmente são algo para alarmar uma monarquia. O Ruanda, ao contrário de Moçambique, também tem laços bilaterais mais fortes na África Subsaariana, dos quais a Jordânia vai querer capitalizar.

Os acordos de defesa entre a Jordânia e o Ruanda irão provavelmente apoiar o destacamento contínuo da RDF em Cabo Delgado, considerando que os seus acordos de cooperação militar remontam a 2021. As autoridades jordanianas não perderão de vista que a RDF se concentrou na estabilização dos distritos economicamente mais importantes do província: Palma, onde se encontra o projecto da TotalEnergies em Afungi, e Mocímboa da Praia, que dá acesso ao porto para projetos de gás. Ruanda, por sua vez, ficaria feliz em receber tal apoio. Um dos países mais pobres da África, não pode financiar esta missão estrangeira por muito tempo sem um apoio significativo.

Nyusi não se oporá a estas parcerias militares e econômicas com a Jordânia e Ruanda. O potencial de Moçambique para ser um grande exportador de gás é vital para as suas fortunas econômicas e envolvimento estrangeiro – desde experiência em projetos até acordos de segurança – são necessários para tornar isso uma realidade. Nyusi também é estratégico o suficiente para capitalizar o facto da África Subsaariana  se tornar um campo de batalha cada vez maior para a rivalidade de potências estrangeiras. Apesar de toda a retórica da Guerra Fria repetida ad nauseam em relação a Moçambique, o seu governo joga para todos os lados em benefício próprio. É improvável que mude essa postura tão cedo.


Este artigo é excerto do Cabo Ligado Semanal, uma colaboração do Zitamar News, MediaFax e ACLED.

,

Receba as noticias via WhatsApp e Telegram!

Para subscrever pelo WhatsApp, clique o botão abaixo e selecione o seu idioma de preferência. Por favor, salve nos seus contactos o número do WhatsApp do Plural Media. Fique tranquilo que ninguém poderá ver o seu contacto.Para subscrever pelo Telegram, clique no botão e siga as instruções no Telegram. O seu contacto não será público.

Popular

magnifierchevron-down